20/06/16

Daqui a

Exatamente um mês

Começa um novo ano

Para mim.

 

Longe de estar tranquilo,

Que dia estive?

Lido hoje

Com questões e sentimentos

Que achava,

Por vezes ainda acho,

Tinham ficado para traz

 

Estão presente!

Aqui

Ao meu lado.

 

Me chegam pela web

Pelos ouvidos

Cara a cara

Sopros noturnos

Que me despertam incomodado.

 

Incomodado com a vida?

Como não estar?

Infeliz?

Como estar?

Uma coisa não impede a outra.

Bom saber disso.

 

Como pude não perceber?

Como pude fingir que não via?

Foi mais fácil?

 

Me falaram,

Quem não sei,

Mas acreditei

Que agora

Estaria diferente

Estabilizado

E hoje sei

 

Que ninguém está.

Há um imã

No seu olhar

Que não sei de onde vem

Nem sei explicar

 

Há uma magia

Na cor do seu sorriso

Que não sei porque

Não me deixa

Pensar

 

Nas horas que passamos distantes

Que não sei de você

Minha vida segue em frente

Não penso em te ter

Mas

Quando estamos juntos

Perco o rumo

Não sei o que fazer

 

Com você

Em alto mar

De frente para o porto

Não saberia voltar

Porque a sua presença

Tem o poder de me

Desnortear.

Meu bem

A falta que você me faz

Dói na fronte da minha cabeça

Dói no punho da minha mão direita

Qual L.E.R. sentimental

Os olhos meigos

Molhados

O sorriso carinho

Seus beijos quentes

Enlouquecedores

Sua marca de praia

O toque da sua pele

O que será

Que me faz hoje

Pensar nas noites

Que estivemos juntos?

 

Qual dessas delícias?

Antes deste

Antes deste

Houve um outro texto

 

Um que não publiquei

E muito provavelmente

Jamais publicarei.

 

Fui tão pessoal

Entreguei-te tanto

Entreguei tanto a minha paixão por você

Tanto!

 

Qualquer pessoa

Do nosso restrito ciclo

De contatos específicos

Que nem posso citar

Saberia que era de você

Que eu estava falando

 

Meu Deus

Você saberia!

O mundo é cheio de

Possibilidades

Acabo de ver

Algumas passarem por mim.

Eu,

Agora,

Não sei o que me dói mais

Se sua falta

Ou sua presença.

O vento, esta noite.

O vento bate aqui

E entra pela minha janela

Por frestas que não suspeitava que existiam

 Faz um barulho como se dentro do meu quarto

Houvesse uma coruja

E eu

Insone

Pensando na vida

Tentando não pensar em você

Blanche fleur

Me acomodo no lençol

Macio e solitário

Que você não experimentou

E assim a noite segue

Virando madrugada

E sei

Que já já

Virá o dia

E eu ainda

Não dormi

Blanche fleur

Talvez por sentir a sua falta na minha cama

 

Certamente por senti-la na minha vida.

Você e a Vida

A vida me deu você

E eu nem sabia que estava dando,

Não percebi.

A vida falou:

Ele não é seu

Mas, vocês serão felizes.

Eu não ouvi!

 

Você chegou assim,

Sem saber das ordens da vida

E simplesmente foi chegando.

 

Eu, fui esperando gostar,

Fui esperando você gostar

Blanche fleur.

Você gostar de mim.

 

No final você não mais gostava

De nada

E então,

Blanche fleur, você se foi.

E a vida me pergunta todos os dias

Cade você?

E eu digo:

Não pensa mais em mim.

 

Se isso me dói?

Dói!

Mas, para onde íamos

Blanche fleur

Assim

Assim, você amarelando

E eu querendo sua brancura?

Para onde eu, sem você, vou agora?

Não sei.

Ainda não sei,

Viver sem você.

Não sei ainda de nada,

Como no dia em que te conheci.

 

 

Rufus! Só porque eu gosto!

Natasha 

You walk alone in the valley of life

in the shaddow of love under the trees of happiness

 

You walk alone like a baby unborn

like a father unknown

like a pocket penniless

 

I'm happy that you really care

but do you really know

how scary

this is for you and is for me?

oh do you you really know?

do you really know? oh..

 

Natasha

All I can do

Is write a song for you

Natasha

Oh Natasha

 

For you i sit alone on the cozy ground floor

on a bench by the garden

waiting also

waiting for love and thinking of all of the

catty remarks I also swallow

 

And as i've often asked before

does anyobody know

how scary

this is for you and is for me?

does anybody know?

anybody know? oh...

 

Natahsa

All I can do

Is write a song for you

Natasha

~Oh Natasha

All I can do

Is write a song for you

Natasha

 

http://www.youtube.com/watch?v=xVkIC_JWcP4




Um Filme: Na Estrada

Então vamos falar sobre "Na Estrada",

filme mais recente de Walter Salles,

baseado no romance “On The Road”, de Jack Kerouak.

Sabe Deus por que, eu não sei,

quando este filme entrou em cartaz,

não tive o menor interesse em vê-lo.

Depois desse longo tempo,

neste final de semana chuvoso e solitário,

o peguei na locadora e pasmei!,

logo nos primeiros minutos vi que seria uma viagem deliciosa.

Assistir "Na Estrada" é entrar em contato com a delicadeza,

com a estética apurada, sutil, inteligente,

mas sem arrogância de Walter Salles.

O filme é incrivelmente belo,

sem se perder em grandes planos com paisagens maçantes,

tem um roteiro tão bom, mas tão bom, que me deu vontade de ler o livro que inspirou o filme.

Walter nos leva por passagens da vida daquelas personagens,

numa época da história recente,

onde havia uma leveza, uma inconsequência deliciosa,

uma vontade de conhecer a vida,

provar da vida as sensações mais variadas,

sem peso, sem culpa, como eu nunca vi, nunca vivi,

e nunca conheci ninguém que a tenha experimentado.

Resultado, embarquei nessa viagem com um prazer inesperado,

quando me toquei estava rindo, estava gargalhando,

torcendo, me deslumbrando,

excitado, triste, feliz, encantado!

Claro que nem tudo são flores, os conflitos estão lá,

como em toda boa dramaturgia,

é triste mas não é pesado,

Walter expõe as situações como coisas da vida,

seu caminho natural, inevitável!

É melancólico em certos momentos, sofrido até,

mas não depressivo.

As personagens são tão bem construídas,

definidas delicadamente, sem caricaturas, coerentes,

jovens, explosivas, tão lindas, que se acredita piamente que são pessoas reais,

com todas as suas peculiaridades e contradições

e são adoráveis, estão vivendo sem manual e sem medo.

É delicioso acompanha-los.

Os atores estão fantásticos, com uma entrega comovente e atuações precisas,

tanto o trio principal quanto os outros maravilhosos atores, e são muitos,

que fazem papéis pequenos,

mas não sem importância para a trama.

A fotografia é linda, discreta, nada impositiva,

mas uma obra prima sempre presente,

sutil, sensível como na linda tomada do rosto de

Kristen Stewart

banhada pela amarela luz do fim de tarde,

que denuncia o fim daquela viagem.

Se tivesse que defini-lo em poucas palavras,

mesmo sabendo que isso é impossível,

diria que lindo filme de Walter Salles,

é delicado e marcante,

mas acreditem, ainda é muito mais.

 

DEUS!

 

Se vc pensa que sabe

Falo ao pé do seu ouvido

Nem poderia imaginar

 

As voltas que a

Minha vida deu

Desde uns dias

 

A chuva nos meus olhos

O vento na minha boca

 

A boca aberta

 

Aberto pro mundo

Confiante em Deus

 

Diferente de mim

Igual ao que sempre fui

 

Voltei!

 

Sei que ele esta comigo!

 

Vida?

A vida é assim

Não me pergunte

Não sei nada sobre ela

 

Ela não me visita

Não me telefona

Não me conta nada

Não sei nada sobre ela

 

Não passa em lá casa

Não a encontro nos bares

Passa por mim e não me cumprimenta

Fingi que não me conhece

Não sei nada sobre ela

 

Eu a achava minha amiga

Mas agora me vira a cara

Não sei o que fiz para ela

Não me pergunte sobre a vida

Não sei nada dela.

Que cor?

Qual é o peso

Dessa carga que

Trago sobre os ombros?

 

Qual a cor dessa magoa

Contra a vida

Que aperta meu peito?

 

Em que parte da estrada

Eu errei o caminho?

Das coisa que gosto

Gosto em especial de Rufus!

 

http://www.youtube.com/watch?v=riJJbPdCxBY

[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]



Meu Perfil
BRASIL, Sudeste, RIO DE JANEIRO, Homem, Portuguese, Arte e cultura, Cinema e vídeo, Aquitetura

 
Visitante número: